quarta-feira, 26 de maio de 2010

BASTA!

              Da melancolia à irritação foi um passo bem pequeno.
              Uma conjuntivite na Bruna me fez desmarcar médico, dentista, salão de beleza e mil outras coisinhas que aproveito para fazer na tarde de colégio dela.
              Pra coroar a chatice, hoje, depois dela ter feito uma soneca pela manhã (que não estava no script), logo depois do almoço baixou- me uma dor de cabeça, um cansaço, uma vontade de relaxar um pouquinho e a pestinha só queria saber de correr, gritar e fazer birra. Quando desisti de tentar dormir e arrumei a cama (já quase 15h) ela anunciou:"- Vou dormir um pouquinho."  Deitou, agarrada na boneca de pano , chupeta na boca e dormiu. Pode?!
               Agora continuo cansada e ela está lá, refestelada na minha cama. Só que eu não tenho coragem de dormir no meio da tarde. Já era.
                Não quero mais fazer o que não tenho vontade, nem dizer o que não penso, nem pregar o que não acredito.
                 Não quero mais elogiar coisas e pessoas desagradáveis, tampouco alimentar esperanças impossíveis ou recordar coisas muito boas ou muito ruins.
                  Chega de resignação, de dar de ombros, de suspirar, de tapar o sol com a peneira.
                  Basta de hipocrisia, de acomodação, de polidez exagerada e falsa.
                  Pior do que brigar por tudo é nem brigar por nada.
                  Ciúmes doentios devem ser mais saudáveis que ciúmes nenhum.
                   Abaixo a rotina! Fora horários marcados até para respirar.
                   Um pouco de egoísmo pode ser saudável e desacomodar um pouco os outros.
                   Não consigo terminar um conto para concurso e o argumento era bom, tenho certeza! É que não consigo me encontrar para discutir as idéias comigo mesma.
                   Se o amor e a fidelidade dos cães superam o das pessoas, tudo está mesmo perdido. Também, cada pessoa que a gente encontra neste mundo que mil vezes um cão!
                   Como um iceberg ou um vulcão, minhas transformações sempre acontecem das profundezas para a superfície e, quando chegam a ser visíveis, é só fogo e fumaça pra todo lado.
                   Odeio telefone! Odeio conversas telefônicas com hora marcada ou sem nada pra dizer. Mas hoje vou abrir uma exceção. Meu filho está aniversariando na Califórnia e eu preciso ouvir a voz dele.
                    Um porre, um ansiolítico ou uma boa conversa, daquelas da gente não bocejar e exercitar os neurônios seriam a solução para meu estado de espírito.
                     Não vai rolar, já sei.
                     Daqui a pouco estarei fazendo tudo igual, sorrindo à toa, falando abobrinhas, mentindo pra mim mesma... pelo menos até a próxima erupção.

2 comentários:

Jeanne disse...

E tu achas que tenho a vida que imaginei pra mim?
Hoje tô soltando fogo pelas ventas!
Pena que a gente não pode se encontrar para trocar "figurinhas",rsrsrsrs...
Vamos esperar passar...
Mas que não demore, afinal o nosso futuro já não conta com tantos anos como antes,rsrsrs
Beijos

Maria da Graça disse...

Desde que a Dodó...passou a fazer parte da familia...tb concordo,que um cão vale muito mais que muita gente que anda por aí e não entendo como tem gente que quando quer ofender alguém chamam de cachorro...