terça-feira, 23 de março de 2010

MULHERES MÁS e - COMO PAI, OU COMO AVÔ?

               Estes dois textos foram publicados há dois anos e permanecem atuais, infelizmente.
               Dedico aos novos leitores, que ainda não me acompanhavam naquela época.


              
MULHERES MÁS

Claro que existem anjos de bondade em forma de mulher.
E também mulheres escravizadas, exploradas, maltratadas, traídas pelos homens.
Agora, quando mulher resolve ser ruim...sai debaixo!
Tenho muito mais medo de mulheres más do que de homens, porque destes a gente só perde na força física, no impulso, na violência; mas elas são ardilosas, capazes de tecer uma teia venenosa em volta de uma família inteira, liquidando com tudo e com todos.
E, na maioria das vezes, quanto pior a mulher, melhor o homem! São os famosos "bananas", governados por uma mente doentia, manipulados, usados como bucha de canhão.
Ainda não tive condições de escrever sobre o assassinato da menina Isabella, até porque o inquérito corre em segredo de justiça e não temos dados suficientes para emitir uma opinião.
Uma coisa, no entanto, chamou minha atenção desde o primeiro momento: que madrasta que tem mesmo cara de madrasta!
Lembrei até da assassina da Daniela Peres, achei até parecida. A mesma motivação - ciúmes - e o mesmo banana para executar o crime ou ajudar a bandida.
Um homem que aceita que uma mulherzinha reles daquelas, com meio metro de altura e meio quilo de peso, viva xingando aos gritos, dizendo palavrões, enfim, numa falta de respeito absoluta, um homem desses mata mãe, mata pai, mata filho para se ver livre dos insultos e da tensão.
Não quero fazer pré-julgamento, aliás, pergunto-me todos os dias se é sadismo essa curiosidade que nos impele a querer saber mais e mais sobre esse caso dolorosíssimo. Cheguei à conclusão que só agimos assim porque não conhecemos as pessoas, então ficamos indignados, mas sem aquela dor dilacerante de quando acontece com alguém a quem amamos, e que não suportamos nem ler a notícia no jornal.
Num momento de raiva, de exaustão, num fim-de-semana onde pessoas que não se amam são obrigadas a conviver porque formaram uma família, com três crianças levadas, muita despesa, numa falta total de princípios, de respeito mútuo, de companheirismo, de bondade, acredito que o impulso tenha falado mais forte, sob um coro de palavrões, de queixas, de acusações, de ameaças e deu no que deu.
A reação da mãe da menina será assunto para outro texto.
O que quero aqui registrar é que, acabe como acabar, ninguém me fará mudar de idéia quanto à cara de má desta fulaninha, que chamam de madrasta (acho que quem tem mãe não precisa de madrasta).
É o banana e a malvada. E ponto.

               - COMO PAI, OU COMO AVÔ?

Não dá para fingir que o “Caso Isabella” não existe. Mesmo porque somos bombardeados com ele em todos os meios de comunicação.

Muitos casos semelhantes (piores é difícil) acontecem todos os dias em nosso país, e nos outros países também. A perversidade humana é ilimitada e assume proporções tenebrosas quando ocorre entre membros de uma mesma família.

Sendo este o caso que domina o noticiário no momento, é em relação a ele que exercitamos todo nosso poder de julgamento e justificativas.

O brasileiro tem uma imaginação muito fértil e adora uma fofoca. Minha faxineira, por exemplo, já veio com uma teoria, consagrada em seu bairro, de que o pai da menina pertence a uma seita que o induziu a sangrar e beber o sangue da criança antes de jogá-la pela janela.

De minha parte, já experimentei todos os sentimentos que conhecia em relação a esse caso: perplexidade, indignação, ira, pena, desconfiança, desprezo, enfim, tentei me colocar em todos os papéis e me senti muito desconfortável neles.

Creio que uma tragédia assim comentada tem a função do verdadeiro teatro – de desencadear uma catarse nos espectadores: a gente sofre e purga com os personagens, para aliviar nossas próprias tensões. E aproveita para xingar, ofender por tabela, acusar, desconfiar, exercitando os sentimentos cuidadosamente disfarçados que todos temos, mas que nossa civilidade nos impede de usar.

No momento, minha indignação se dirige ao Sr. Antônio Nardoni, aquele pai que mimou tanto o filho que o estragou para a vida; que o sustenta até hoje, mesmo ele já tendo constituído duas famílias; que dá moto, carro, apartamento de presente a um filho para quem comprou um diploma e que ainda não conseguiu habilitá-lo; um pai que se dá ao desplante de mandar instalar um rastreador num Ford KA (que acabou por mandar seu filho para a cadeia) e que aparece sempre tão composto, tão sereno na mídia, com seus ternos bem cortados, seus carrões e seu discurso cansativo que sempre começa: - “eu, como pai...”

Pois queria perguntar a esse senhor “- e eu, como avô? Não sente nada por sua netinha morta??? Não constava de suas obrigações também zelar por esta criança? Nunca se refere a ela e enche a boca para defender a atual nora, que cobre seu filho de desaforos, palavrões e sopapos?”

Isabella era a primeira neta, a única menina, foi absurdamente assassinada e este avô nunca se refere a ela, como se a criança pudesse prejudicar a defesa que ele faz daquele filho com cara de retardado e da malvada que o acompanha.

Não dizem que avô é pai duas vezes? Que avô é pai com açúcar? Onde estão os avós de Isabella?! Como não se revoltam com o que lhe sucedeu? Seja com intenção, ou por idiotice, mataram uma criança! E era sua neta! Então?!

É claro que os assassinos vão para a cadeia. É claro também que não ficarão muito tempo por lá, só até a opinião pública esquecer do fato e se preocupar com outra coisa. Aliás, já devem até estar comprando um diploma para a madrasta, a fim de que fique numa cela sozinha. E TVs a cores para os dois, muitos livros, conforto imerecido, mas que não faltará. Eles são filhos de gente safada e esses sempre se dão bem. Logo saem. E nem peso na consciência terão, pois já estão acreditando em suas próprias mentiras e se achando inocentes.

A mãe é que sentirá mais a falta de sua companheirinha, pelo menos até casar, ter outros filhos, tocar a vida.

Como sempre, só nos resta confiar na Justiça Divina.

Deve andar mais um anjinho brejeiro pelo Céu, numa vida bem melhor do que o dinheiro desse avô ingrato poderia proporcionar a ela.

Com certeza!

Agora, em 2010, depois de cinco dias de julgamento e diante das contundentes provas periciais, o casal Nardoni foi condenado a mais de vinte anos de prisão.
Mais do que o fato dos advogados de defesa estarem tentando anular o júri, o que causa mais estranheza e revolta é o fato deles continuarem mentindo e negando tudo, com um discurso decorado que não convence ninguém.
Vou encerrrar com um trecho da coluna de Cacau Menezes, jornalista do Diário Catarinense, que resume bem minha forma de pensar. Diz ele: " Mas o que dizer de uma pessoa que, tendo feito tudo isso - todas as provas incriminam o casal Nardoni - ainda nega, sabendo que mente? Confirmar um crime é se reumanizar. Aceitar uma punição reconforta, reabilita o cidadão, pelo menos moralmente. Matar e sustentar a mentira, principalmente nestas circunstâncias, é uma monstruosidade."

Um comentário:

francari disse...

Olá Maria Luisa
Os dois textos permanecem atualíssimos (o que o julgamento terminado nessa madrugada comprovou).
Até parece que você tem o dom de prever o futuro. Um abraço do Francisco