sábado, 23 de junho de 2012

ALMA GAUDÉRIA


                  Vivo em uma capital, Florianópolis, há mais de trinta anos, entretanto, nunca abandonei os hábitos interioranos.
Nasci e me criei numa pequena cidade do Rio Grande do Sul chamada Alegrete. Minha alma ainda mora lá, no mesmo quarto amplo do casarão dos meus avós, com todas as lembranças da meninice.
Minha mãe é a guardiã dos tesouros do passado, mantendo intacta e conservada a casa de sua infância, onde trouxe seus filhos ao mundo e velou seus mortos. Mesmo de longe ela gerencia sua ampla morada, sempre pronta para acolher as visitas da matriarca, dos filhos, netos e bisnetos. As lembranças da casa cheia, do vozerio das crianças, das risadas, não parecem incomodá-la e é lá que ela se sente melhor, com as paredes cheias de quadros, as roseiras desfilando sua beleza e os dois jasmineiros, plantados por sua bisavó alemã, inundando de perfume a ampla varanda.
Embora os filhos tenham construído suas vidas nas grandes cidades, é para lá que correm quando querem se encontrar, inclusive com eles mesmos. Sobretudo para recordar e, assim, voltar a viver.
Festas de 15 anos, noivados, casamentos, encontros políticos, enterros, tudo aconteceu debaixo do pé direito alto do solar da Mariz e Barros.
Brincadeiras de esconde-esconde aconteciam no quarteirão inteiro, pois saltar muros era, para as crianças da época, tão simples quanto subir escadas.
Frutas verdes castigando os lábios, roupas manchadas, pernas e braços cheios de arranhões e aquele brilho maroto nos olhos de crianças livres.
Cinema aos domingos, com o tropel dos cavalos acompanhado pelo bater dos pés dos pequenos espectadores. Beijos roubados, bilhetes escondidos, amigas de braços dados andando ao redor da praça, exibindo-se para os rapazes.
Os doces em calda da avó, aquela tentação em compoteiras, servida com parcimônia a quem terminasse a refeição.
Os “causos” do pai, contados pausadamente, ele sentado em uma espreguiçadeira, com a cuia de mate em uma mão e o palheiro aceso na outra, o olhar perdido no horizonte, revivendo cada história.
A mãe lendo Monteiro Lobato na porta que ficava aberta entre o quarto dos filhos para que todos pudessem ouvir. E ela ainda passando a ferro quente os lençóis da gurizada nas noites de frio intenso e amaciando a manteiga para espalhar no pão das crianças sonolentas e atrasadas para o colégio.
O tempo parece que transcorria mais devagar, os dias eram compridos, espichados, as férias grandes, difíceis de preencher, a ponto de sentirmos saudades da escola e torcermos para que o ano letivo começasse logo.
As noites estreladas e a gurizada correndo e brincando no meio das ruas onde, de quando em vez, passava lentamente um carro buzinando.
As famílias conversavam, iam à Missa, visitavam amigos, conviviam mais. O mundo era menorzinho e as coisas e pessoas tão distantes não preocupavam muito, afinal, por que se aborrecer com coisas que não nos dizem respeito, nem dependem de nós?
As músicas eram quase sempre românticas e em quase todas as famílias alguém cantava ou tocava um instrumento.
As tias solteironas costuravam e bordavam na casa dos parentes, orgulhosas dos sobrinhos. A maquilagem era pouca, mas os vestidos tinham rendas, babados, fitas, bordados, plissados, casinhas de abelha, tudo combinando.
Como disse Casimiro de Abreu, poeta romântico do século XIX, “Oh, dias da minha infância / Oh, meu céu de primavera,/ que doce a vida não era / nessas risonhas manhãs...”
Parece que descrevo cenas muito antigas, de uma época muito remota, todavia, não tenho nem 60 anos. Os tempos é que estão mudando muito depressa, evoluindo a tecnologia e complicando as relações humanas.
Imagino uma roda de gaudérios em volta do fogo, passando a cuia de mão em mão, ouvindo as notícias das guerras, das revoltas e da corrupção no radinho de pilha e dizendo cismados:
“– É, a coisa tá feia lá pra cima...” 



4 comentários:

Flavio disse...

Como sempre, uma beleza, Maria Luiza!
Um abração!

francari disse...

Gostei demais, Maria Luiza; esta é a descrição da infância de quem ainda não fez sessenta (você) e dos que já passaram dos setenta, como eu e o Flavio. Obrigado. Um abração.

Ivan Guterres disse...

É, Maria Luiza estas linhas me remetem à nostálgicas lembranças e saudades dos tempos que ainda tinhamos sonhos puros e valorização dos atos e pessoas que convivíamos. Beijos. Parabéns. Nos brinda com matérias assim.Dá-nos vida!

derli baltasar castagna paim disse...

Parabéns a você, pelo lindo texto que nos apresenta. Acompanho seu trabalho há alguns anos, sempre com excelentes crônicas. Abrçs. Derli Baltasar Castagna Paim - São Leopoldo-RS