terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

PROMESSAS

                Você já fez alguma promessa? E cumpriu? Prometeu a quem? Santo ou leigo?
                Nos meus momentos pensantes lembrei das promessas - tantas! - que fazíamos na  adolescência e juventude lá no meu Alegrete. Pra passar de ano, pra namorar beltrano, para que sicrano fosse ao baile, para que o pai tirasse a gente do castigo e mil outras razões de similar importância. Prometer era fácil, duro mesmo era pagar a promessa, que incluía até não comer doces, não mascar chicletes, não perder uma missa, não pintar as unhas e coisas do gênero.
                Os mais velhos - e mais necessitados - chegavam a prometer não cortar o cabelo dos filhos ou o próprio por anos a fio. Quem não conheceu algum infeliz menino de longas madeixas por promessa da mãe?
               Sem falar nos meninos que iam para o seminário e nas meninas enfiadas num convento para pagar uma promessa feita, às vezes antes mesmo deles nascerem.
                Agora me digam, a quem interessaria os cabelos de uma criança ou a penitência de um jovem totalmente sem convicção? Que santo se importaria com os doces , as unhas, os cabelos de quem quer que fosse? Quem nos ensinava a acreditar nessas tolices?
                Promessa é coisa muito séria. No meu caso, sempre procurei cumprir o máximo de coisas que tenha prometido, prinicipalmente aos meus filhos. No entanto, não consegui cumprir o que prometi ao padre que me casou...
                Coisas da vida!

4 comentários:

Rita Velosa disse...

Olá Maria!
Atendendo a pedido seu:
FAVOR PARTICIPAR E DIVULGAR.

OBRIGADA.





1º CONCURSO LITERÁRIO NACIONAL BURITI CRONICONTOS

EM HOMENAGEM AO ESCRITOR DR. JOBAL DO AMARAL VELOSA



Regulamento:

Objetivo: estimular a criação literária em língua portuguesa

e ajudar novos autores a publicar suas obras.
Abrangência:nacional
Categorias:
Infanto-junenil: de 10 a 18 anos
Adulto:maiores de 18 anos
Modalidades: conto, crônica e poesia moderna
Inscrições: de 1º de Março a 30 de Junho de 2010
Permitido enviar apenas uma obra inédita por modalidade. As obras deverão ter no máximo 30 linhas para poesia e 60 linhas para prosa.
Pagamento da inscrição : conta para depósito – Banco do Brasil –agência 4562-4-conta poupança 9345-9
Taxa de inscrição (para despesas de correio):Para categoria adulto 15,00 reais por obra.Para a categoria infanto-juvenil 10,00 por obra. Enviar cópia do recibo junto com o material da inscrição.
Envio do material para inscrição:
Pelo correio: enviar para 1° CONCURSO LITERÁRIO NACIONAL BURITI-CRONICONTOS–Caixa Postal 14-CEP 14820-000 –Américo Brasiliense/SP.
1-uma via impressa em papel A4,apenas com título, categoria, modalidade e pseudônimo,de cada texto, digitado em times new Roman 12
2-disquete ou CD contendo a ficha de inscrição, as obras salvas em word.doc, cópia do RG (para comprovar idade) e cópia do recibo de pagamento
Pela internet:enviar para o E-mail: ritavelosa@bol.com.br
Enviar, em anexo, ficha de inscrição, obras apenas com título, categoria , modalidade e pseudônimo, cópia do RG, (para comprovar idade) mais o recibo de pagamento da inscrição.
Premiação: Troféu Buriti e publicação gratuita para o primeiro lugar de cada categoria e modalidade.Medalhas para os segundos e terceiros lugares de cada categoria e modalidade
Diplomas para 7 mencões honrosas de cada categoria e modalidade
Haverá posteriormente antologia publicada por adesão.Custo: 100,00 por página com direito a cinco exemplares.Exemplares restantes serão enviados para bibliotecas de escolas de Ensino Básico e Universidades
Resultado Final: Em 30 de Setembro e será divulgado pela internet no blogue oficial do concurso e em blogues e sites diversos. Também será enviado e-mail para os participantes premiados.



FICHA DE INSCRIÇÃO – CONSTA TAMBÉM NO BLOGUE OFICIAL DO CONCURSO: http://concursoburiticronicontos.blogspot.com/



Organizadora: Rita Bernadete Sampaio Velosa – Jornalista,escritora e ativista cultural. Delegada da UBT, Consulesa de Poetas Del Mundo,Delegada do Clube de Escritores de Piracicaba/SP e Correspondente das Academias de Letras de Cachoeiro do Itapemirim/ES, de Itajubá e Varginha/MG.Sócia do Movimento VIRARTE/RS e Delegada Cultural da ALPAS XXI/RS. Telefone para contato: (16) 97910024

-----------------------------------------------------------------------------------------------





FICHA DE INSCRIÇÃO
NOME DO AUTOR:________________________________________________
IDADE:______________________________________________
ENDEREÇO:
RUA________________________________________N°______
BAIRRO:____________________________________________
CIDADE:____________________________________________
CEP:________________________________________________
ESTADO:____________________________________________
TELEFONE:__________________________________________
E-MAIL PARA CONTATO:______________________________
CATEGORIA:_________________________________________
MODALIDADE:
( )POESIA_________TÍTULO:_____________________________________
( ) CONTO_________TÍTULO:_____________________________________
( ) CRÔNICA_______TÍTULO:_____________________________________
PSEUDÔNIMO:_________________________________
CITAR COMO TOMOU CONHECIMENTO DO CONCURSO:
( )CORREIO
( )E-MAIL
( )JORNAL DCL-SANTOS
( )BLOG
( )SITE_________________________CITAR O SITE
( )OUTRO__________________________CITAR

----------------------------------------------------------------------------------------------

Renata disse...

Olá Maria, lendo seu blog lembrei que alguém me disse uma vez que fazer promessa seria querer barganhar com Deus,sabe eu nunca tinha visto por esse lado,mas também procurei não fazer promessas mas simplesmente agradecer tudo que ele me proporciona seja de bom ou de ruim,e pedir forças para continuar evoluindo bjs de uma nova amiga.Renata.

Fernanda disse...

Todas as promessas que faço aos meus filhos cumpro. Só faço lhes faço promessas a eles!

francari disse...

Olá Maria Luiza:
Gostei demais do teu texto "Promessas", principalmente da parte que fala de promessas que envolvem terceiros ( filhos), como não cortar o cabelo e outras semelhantes. A propósito, minha mãe prometeu não cortar meu cabelo até os sete anos, por conta de uma doença na infância; com pouco menos de 3 anos, fugí e fui ao barbeiro e cortei os cachos que usava. A historieta (Cantata e fuga) está no meu blog, mas o melhor é lê-la no site da nossa amiga Marília Cechela, onde aparecem os desdobramentos desta história, vide:

http://assisbrasil.org/joao/cronicas.htm#cantata

Meus cumprimentos e um abraço de
Francisco Carlos D'Andrea