terça-feira, 13 de outubro de 2009

PROFESSORES DE VERDADE

Dedico este texto à memória das centenas de professores e alunos soterrados nas escolas de Padang, na Indonésia, por ocasião do recente terremoto.



Ofereço também aos professores e alunos da cidade de Arame, no Maranhão, que teimam em estudar e aprender alguma coisa totalmente sem condições, esquecidos por todos num casebre de barro, sentados em tijolos, equilibrando os cadernos nos joelhos, sem banheiro, sem água para beber (merenda então nem se fala!), todos juntos numa mesma sala e a maioria ainda analfabeta. Vão à aula para não perder a Bolsa-escola, única renda familiar.



15 de outubro – Dia do Professor!


               Mestre – hoje um título acadêmico, outorgado a quem conclui o Mestrado e aprova sua Dissertação.

              Jesus Cristo foi Mestre - o melhor de todos! – sem precisar frequentar as estafantes aulas dos cursos de pós-graduação. Assim como os “Doutores da Lei”, de que fala a Bíblia, tampouco se doutoraram em coisa alguma.

               Bem, o que importa saber é quem ensina, o quê ensina e como ensina neste início do século XXI, indiferentemente à nomenclatura usada para denominá-los.

               Educação integral? Transmissão de conteúdos? Macetes para vestibular?Enrolação? O que essa sofrida classe transmite nos bancos escolares?

               Os alunos mudaram – e muito! Falam inglês quase fluentemente, pensam que sabem espanhol, assassinam o português, são quase incomunicáveis na redação, não lêem nada, entendem tudo de computador e sacanagem, dominam a gíria com desenvoltura e os palavrões idem, odeiam política (preferem votar em branco), defendem os direitos humanos sem saber bem o que isto significa e têm uma capacidade imensurável de tolerância para com todas as formas de contravenção. Têm pais muito caretas ou “muito loucos” e acham que “normal” é o mais abstrato dos adjetivos, ainda que não saibam bem definir o adjetivo.

               E agora? Quem são os professores desta “galera”?

               Sujeitos e sujeitas “descolados”, que usam bermudas e minissaias, sentam nas carteiras, mascam chicletes nas aulas, não sabem utilizar o quadro-negro e dominam pouco o conteúdo da disciplina que ministram; adoram debates, de preferência sobre temas da atualidade, que permitam muitas hipóteses, quase nenhuma conclusão e uma “saudável matação de aulas”. Aplicam poucas provas, dando preferência a “trabalhos”, que podem ser copiados integralmente dos livros ou da Internet, pois não serão mesmo lidos.
                Uma pequena parcela de professores, na maior parte das vezes dos mais antigos, faz a “linha dura”, aplicando provas dificílimas, atribuindo notas baixíssimas, amedrontando a turma com conteúdos nunca ensinados, ou tão mal repassados que ninguém entendeu. E se sentem poderosos, por conseguirem “ferrar” todo mundo, despertando temor, que eles confundem com respeito, em seus discípulos.

              Em contrapartida, há também aqueles que pretendem ser “amigos” dos seus alunos, saindo junto, trocando confidências e esperando ser respeitados depois disso. Como se os alunos precisassem procurar amizades entre o corpo docente!

              A matemática do aprendizado é simples: - Se ninguém aprendeu, não foi ensinado; se não conseguiu ensinar, não é professor. É isso!

              Por tudo que foi dito, hoje, eu queria cumprimentar os poucos e valorosos professores que realmente dignificam nossa profissão e não merecem o baixo salário que recebem. Aqueles que conseguem se atualizar, malgrado o descaso dos governos; que procuram entender os modismos das novas gerações sem abrir mão dos valores fundamentais do ser humano; que conseguem suprir as carências familiares da maioria dos alunos, sem esquecer os conteúdos que lhes abrirão as portas do futuro; que ensinam, corrigem, apóiam e amam na medida e na hora certas; que têm escrúpulos, evitando manipular seus alunos em causa própria e que acreditam, sobretudo, na sua Missão de ensinar, educar e instruir.

               Num tempo em que se fala tanto de ensino à distância, parecendo que o papel do professor se torna supérfluo; que os alunos (e alguns pais de alunos), não contentes com toda forma de desrespeito, partem para a agressão física; num tempo em que só se fala de que a solução para a miséria e a violência está na educação, a pergunta que não quer calar é esta:

              - Como exigir qualidade e abnegação dos professores com salários tão baixos? Ou devem eles fazer voto de pobreza em suas formaturas e aceitar o magistério e as privações como uma missão de caridade?

              Diante de tudo isso, seria hipocrisia dourar a pílula e falar apenas na magia de ser professor. Só quem foi, ou é, pode conhecer o milagre do aprendizado. Mas para tudo na vida existe uma remuneração justa, até como incentivo. Com o magistério, não pode ser diferente.

              Um grande abraço a todos os meus colegas de profissão, a todos os meus professores e a todos os meus alunos, que completaram a minha formação na prática e me deram muitas alegrias.
               Parabéns!

4 comentários:

Jeanne disse...

Parabéns pra ti!
Teu post ficou muito bom, mostraste a realidade,nem todos sabem destas práticas e características do ensino. Só quem vivenciou pode falar com propriedade.
Beijos

Sonia Regly disse...

Professora
Realmente o professor precisa de valorização e, JÁ!!!
Vim lhe convidar para conhecer o Compartilhando as Letras:

www.compartilhandoasletras.com

Antonio Carlos disse...

Paz querida irmã!
Tentei enviar através do blog mas não consegui.
Tenho um selo "Dardos" para presenteá-la no blog "Procurando os perdidos".
Como disse no comentário que antecede a distribuição do mesmo, eu só o faço para aqueles que eu considero como mercedores.
Há também um segundo selo: "Amigo (a) Virtual) que poderá ser retirado sem nenhum tipo de regra.
Se desejar retirá-los será um prazer e não se sinta obrigada a indicar o blog que o está oferecendo.
Sempre juntos em Jesus.
Antonio Carlos
www.procurandoosperdidos.com

Jeanne disse...

Olá, o blog http://conscienciaevida.blogspot.com completou 100.000 acessos.
Estou esperando tua visita para comemorarmos juntos.
Beijos :)