quinta-feira, 14 de julho de 2016

IMPENSÁVEIS



                            Por mais realistas ou fatalistas que sejamos, existem algumas coisas que devemos guardar, a sete chaves, em uma gaveta com o seguinte rótulo: “impensáveis”.
                           Certa vez, num tempo em que havia resolvido me por à prova e encarar a vida e a morte com a frieza que elas requerem, ousei manifestar essa opinião numa roda de amigas, jovens mães cheias de energia e sorrisos. Conclamei-as a enfrentar o fato de que, um dia, seus lindos bebês iriam morrer. As reações foram várias e, no geral, de um imenso desagrado. Uma delas levantou, pegou a bolsa e saiu correndo, chorando, incapaz de suportar tal visão. Eu, que tinha me obrigado a enfrentar a certeza da morte de todos os meus queridos, sentindo uma dor profunda, impossível de descrever, depois da reação dessa mãe, decidi que existem alguns assuntos na vida que não são para serem pensados e que só conseguiremos viver bem se não pensarmos neles.
                           A morte é uma certeza na vida de todos. Não há como fugir dela. Algumas religiões tentam nos preparar para essa certeza, prometendo outras vidas, ou ressuscitação, prêmios, consolos, encontro com os parentes e amigos que já partiram. Oxalá estejam certas e nossa história não termine mesmo por aqui. Felizes os que creem!
                          Por outro lado, entre os marginais, bandidos, assassinos, a vida não vale nada. Foi banalizada ao ponto de valer um par de tênis, um relógio, um celular. Vidas que são concebidas com irresponsabilidade, depois jogadas no mundo, cooptadas pelos traficantes, que lhes põem nas mãos uma arma e na cabeça a cruz da certeza de que só terão um futuro: a cadeia, ou a morte.
                         Vidas desperdiçadas no submundo dos vícios, em que a única dependência é da droga, que não lhes dá sentido algum, apenas uma vontade de viver exclusivamente para se matar aos poucos.
                          Vemos pessoas lutando bravamente, desesperadamente, para conseguir a cura das suas doenças, enfrentando tratamentos difíceis, sofridos, lutando para se manterem vivas, enquanto outras desperdiçam a saúde que têm, ou tiram a vida de quem não lhes fez mal algum.
                          Se pensarmos em todas as injustiças que existem no mundo, na estupidez das guerras, na covardia do terrorismo, na maldade entranhada no coração dos homens, na força destruidora da natureza, nos perigos escondidos em todos os lugares, nos riscos de viver e de sair às ruas, na violência dos sequestros, dos estupros, dos assassinatos... não conseguiremos nem respirar, quanto mais viver.
                          Por isso, para mantermos um necessário equilíbrio e conseguirmos saborear um pouco da beleza da vida, é muito importante que coloquemos todas essas ameaças e catástrofes naquela gavetinha chaveada e devidamente rotulada como assuntos “impensáveis”.


3 comentários:

Francisco Carlos D'Andrea (francari) disse...

Texto perfeito, quase bíblico:

"Portanto, não vos preocupeis com o dia de amanhã, pois o amanhã trará suas próprias preocupações. É suficiente o mal que cada dia traz em si mesmo."
(Mt 6:34)

Priscilla Scretas disse...

Muito difícil não pensar, praticamente impossível... nem que seja de leve !

Priscilla Scretas disse...

Muito difícil não pensar, praticamente impossível... nem que seja de leve !