quinta-feira, 3 de outubro de 2013

INTERMINÁVEL COMO SABONETE



         
          Você já conseguiu terminar algum sabonete? Duvido.
          Quando eles são em barra, sobram fatias finíssimas nos banheiros dos econômicos, ou se amontoam junto a outros de cores e aromas diversos nos banheiros dos desperdiçados. Mas não acabam.
           Do sabonete líquido fica quase um terço retido no frasco dos perdulários, ou ele se transforma num líquido ralo e quase sem espuma (porque misturado à água) nos banheiros das mãos mais fechadas. E também dificilmente são usados até o final.
           Casamentos onde há filhos são mais ou menos assim - intermináveis.
            Quando acabam bem, o que os eterniza são os traços físicos ou de personalidade dos filhos; as manias, os gestos, a voz e outras características hereditárias.
            Para os que terminam em litígio sobram explorações, calúnias, abusos, ameaças e um ressentimento eterno, maldizendo aqueles mesmos traços, físicos ou de personalidade, que o pobre herdeiro ousou herdar do cônjuge detestado, ou do cônjuge explorado.
            Dizem que quem pensa não casa e quem casa não pensa. Claro que esse pensamento é muito radical. Casamento, quando é bom, é a melhor coisa do mundo! É parceria, companhia, divisão, multiplicação e, sobretudo, soma.
            Agora, quando esta união não tem bases sólidas, quando nenhum ou um dos dois não consegue renunciar a seu egocentrismo; ou quando valores, planos, metas são completamente díspares, o casamento se transforma numa sociedade fadada ao fracasso. Isso quando o nível não desce e aqueles beijos e abraços iniciais, embalados pelos hormônios, se transformam em pedradas e todo tipo de baixaria.
           Seria muito bom que os jovens pensassem antes de ter filhos, que aquela união será eterna, mesmo que todos os juízes do mundo a anulem. Porque genes e cromossomos não se anulam e, lá pelas tantas, surgirá, em cada geração, um pedacinho de cada um do casal inicial, por mais que eles se odeiem.
           Se do casamento, feliz ou não, nasceram descendentes, é melhor tentar viver em paz, tentar uma conciliação possível, tentar um relacionamento mais próximo do amigável, porquanto esta união será, com certeza, interminável como sabonete!


 

2 comentários:

Elisabete Stolarski disse...

Quando se tem filhos fica ainda mais complicado... por isso é melhor ser amiga do ex... filho é um vínculo para sempre.

Gilda Souto disse...

Com certeza filho é um vínculo para sempre, portanto há que respeitar o vínculo para sempre,como respeito e amor.