domingo, 24 de fevereiro de 2013

NASCI PRA ISSO TAMBÉM!



Quando meu primeiro neto nasceu pude visualizar minha eternidade, com o rosto colado e os olhos brilhando diante daquele vidro do berçário.
Enquanto ele ficou por aqui, saía do trabalho diretamente para junto dele e recuperei todas as canções de ninar que cantara para os filhos.
Como ele morava em São Paulo, era para lá que eu corria em cada feriado, ou data importante e ele recompensava tudo com aquele sorriso meigo e os bracinhos estendidos para mim. Sua primeira palavra foi, inclusive, “vovó” e eu que ouvi, vertendo mel pelos ouvidos.
Fiz uma reciclagem completa de desenhos animados, fui ao cinema, aluguei filmes em casa, preparei todas as comidinhas que ele gosta, fui a parques, até de pônei consegui que ele andasse. Contei tantas histórias que esgotei meu repertório e tive que inventar outras.
Sou daquelas avós que compram desde o primeiro sapatinho até livros de puericultura, coleções de jogos educativos e literatura infantil, ensinando sempre, com muito carinho, mas sem descuidar da formação deles.
A chegada da Bruna – a primeira menininha da família – foi outra grande emoção, aliada ao fato de que ela morava bem pertinho e que pude cuidar dela os dias inteiros até ela ir para a escola. Com ela voltei a ser mãe, a tomar conta de tudo, o tempo todo e fiquei novamente atualizada e encantada com tudo o que esta sapequinha diz e apronta.
Agora, já estou novamente exercendo meu ofício de professora, dando aulas de reforço para meu garotão, que adora matemática, mas boceja na leitura e incentivando minha bailarina nos primeiro passos e nas primeiras letras. E viva a avó paterna, antes tão relegada a um plano secundário e hoje reclamada e convocada o dia todo pelos filhos dos seus filhos.
Eis que, não tão de repente porque está sendo esperada há trinta e oito semanas, o mundo fica mais cor-de-rosa, o coração derretido, os olhos marejados e aquela sensação de que tudo na vida valeu a pena:
- ALICE chegou!
Chorando forte, derretendo-se com o carinho do papai, acabando com o ciúme do irmãozinho, que se encantou imediatamente com ela e conquistando mais um enorme espaço no coração dessa vovó.
Sei que vou precisar dividir tempo e atenção entre os três, mas prefiro multiplicar beijos, abraços e carinhos.
Hoje são três e me encantam. Outros hão de vir!
Assim, em cada página e nos traços físicos e de personalidade de cada criança da família vou plantando minha eternidade.
Nasci pra isso também!



5 comentários:

Lizarm disse...

Maravilhoso Maria Luiza, mais uma vez parabens e muita saude para a Alice, desejo que possas continuar curtindo teus netos por muitos e muitos anos! Bjs

Jeanne Geyer disse...

que fofinha, mais um mundinho cor-de-rosa! bjs

Lucia Zarif disse...

Amiga vó e para todos os momentos , netos são a continuação de nossa vida. Que bom poder dizer de peito aberto que temos NETOS, somos AVÒS!! isso é encantador. Parabens a todos

Elisabete Stolarski disse...

Lindos... os comentários e as alegrias desta vovó babona, que vai começar tudo de novo, com nenem novo no pedaço. Parabéns mais uma vez e curta mesmo esta belezinha que chegou, pois o tempo passa tão depressa e daqui a pouco ela estará correndo pela casa... e indo para a escola e a gente fica como se um pedaço nos faltasse. Essas criaturinha são nossa alegria de viver!

Ana Luiza disse...

Que delicia de ler teu texto e impresso as palavras que toda a avó sente.Este é o momento da Alice,que traga sempre muita alegria,rodeada de amor e ainda ter uma Bisa para poder lhe embalar,parabéns.