terça-feira, 28 de dezembro de 2010

NÃO ME PERGUNTES!

           "Não me perguntes onde fica o Alegrete
            segue o rumo do teu próprio coração".
            
            É pra lá que eu vou! Se Deus quiser.
          Vou levar minha mãe para beber a água do Ibirapuitã e amenizar a saudade que sente da sua terra, sua casa e sua gente. Levo também um filho e um neto, porque as raízes precisam ser regadas de quando em vez para que não sequem e se desprendam da terra.
          Quero encher os pulmões com o ar da minha cidadezinha, passear entre os canteiros do jardim da praça e da minha casa e, finalmente, poder deixar de bloquear tanta falta que tudo isso me faz.
          Sou cria do Alegrete. Nasci, me criei, me formei e aprendi a ser gente e a ser feliz naquelas bandas. Minha alma, na verdade, desconfio que ainda vive por lá.
          Assim, pretendo ver o Novo Ano nascer no lugar onde eu mesma nasci e meus filhos também. Com menos fogos, menos brilho, menos festas, mas num encontro profundo com a menina que deixei por lá.
         Por isso, meus queridos leitores, ficarei uns dias afastada do mundo virtual. Espero que não deixem de passar por aqui, onde há mais de duzentos textos para serem lidos na falta dos atuais.
        Quem sabe até consiga mais alguns seguidores, além dos trinta e seis que tanto me honram.
        Pode ser que sintam saudades e até resolvam encarar as tais "letrinhas" e me deixar um recado, um comentariozinho qualquer.
         O que importa é que saibam que desejo a cada um (uma) um Ano Novo fascinante, cheio de gratas surpresas, muita paz no mundo e no interior de vocês, muita harmonia nas famílias, saúde plena ou recuperada com remédios, amor aos borbotões , porque é o combustível da existência e que não me esqueçam, até indiquem meu blog aos seus amigos para que possamos continuar "conversando" por aqui.
         Lá do meu Alegrete estarei levantando um brinde a todos vocês.
         Feliz 2011!

8 comentários:

Celina disse...

Fiquei comovida com a sua crõnica, onde a saudade fala mais alto, ja sentí isso que vc descreve com tanta sabedoria deversas vezes que me afastei da minha terra.Desjo um ANO NOVO, repleto de muita paz e principalmente espernças, um abraço carinhoso. Celina.

Fernanda disse...

Maria Luiza, até eu fiquei com vontade de ir para Alegrete!

Um Feliz Ano Novo, para si e aqueles que ama.

Beijos

francari disse...

Oi, Maria Luiza
Por favor, curta o Alegrete por mim, já que este ano não pude ir até lá.
Tenha um 2011 pleno de coisas boas. um grande abraço
Francisco Carlos

Ivana Maria disse...

Felizes os que têm a sua terra para assentar raízes. É muito bom ter lembranças e saudades. Te desejo um feliz ano novo, minha querida. Tudo de bom para você e toda a família. abraços.

Anônimo disse...

Querida Luiza, incomoda-me essa “perversa” paixão d’alma que o gaucho nutre pelo torrão natal. Principalmente, tu com teu Alegrete. Quando escreves (ouvir-te corre-se o risco de prejuízo do conteúdo frente a imagem) exalas a plenitude do teu amor visceral pela terrinha; embora eu saiba que Alegrete tem a maior extensão territorial do Rio Grande do Sul. Estou me tornando um desejoso de Alegrete, como se fosse uma gravidez induzida pelos teus cantares. Antes de ti eu já amava Quintana; portanto, Alegrete já habitava minh’alma. Penso, até, percorrer tuas apaixonadas ruas, que sem conhecê-las já sonhei com elas. Quem sabe não fizemos juntos, um dia, essa andarilhagem? Andaríamos pelo calçadão de Gaspar Martins, rua Mariz e Barros, conheceria o teu Colégio Oswaldo Aranha, o Casino, da tua primeira valsa, o Cine Glória (que com certeza, a exemplo de outros cinemas, não existe mais), onde deves ter dado o primeiro beijo, a Praça Getúlio Vargas, enfim, todos os outros lugares que te arrogam os desejos e exacerbam tua saudade. José Bicca Larré, diz: o Alegrete é um exportador de filhos. Já Élvio Vargas é mais eloqüente ao dizer: o rio Ibirapuitã não deságua mais no rio Ibicuí. Ele banha o mundo, através dos sues filhos. Sinto-me, Maria, um ínfimo afluente desse fertilizado rio, na tua amizade, nos teus ricos e emprenhantes escritos, nas tuas sensuais manifestações. Ah, antes que eu encerre essa ousada atitude em emprestar o meu coração para falar dum chão que é teu, convido-te a beber uma cerveja, um vinho, um champanhe, um Martini, uma cachaça, ou tudo (dependendo do prazo)... Ou não se bebe nada e conversemos, demoradamente, sobre canto, crônica, poesia, filhos, amores e desamores, livros, paixões desapaixonadas, vida. Porque viver é inevitável, é preciso, chega a ser bom. Ia me esquecendo do bar, pode ser lá no QUIOSQUE da PRAÇA? Espero que o Moacir, o Ademir e o Ildo não me neguem a saideira.





Feliz Ano Novo!

Linda Morena.

Prof. Chicão

Rubia disse...

Que esse retorno com a menina de Alegrete te renove, te encha de energia e de felicidade. Que seja a carga de bateria mais forte para o ano de 2011 e para a nova década que se inicia. Que nós leitores possamos ainda ler muitas das suas palavras sábias. Te desejo um tempo maravilhoso pelas tuas terras, você merece! Te adoro, um grande beijo! Rubia

Gislene disse...

Olá, Maria Luiza!

Te convido para uma visita ao meu blog.
Fiz uma postagem sobre João de Deus, o médium de Abadiânia. Você o conhece, amiga?
Espero sua visita!

Um abraço,

Gislene.

Jeanne disse...

Certamente a tua alma anda por lá, nunca vi uma pessoa sair de sua cidade natal sem sair como tu!
Aproveita, curte bastante, se puderes, dá uma chegadinha no Osvaldo Aranha que a minha alma estará junto!
Beijos :)