quinta-feira, 24 de abril de 2014

INADAPTADOS




                     Não é sinônimo de saudosismo, mas até poderia ser, num certo sentido.
                     Penso que inadaptados são todos aqueles que vivem resmungando contra a modernidade, os comportamentos, as músicas, a forma de vida, tudo que acontece nos dias atuais e comparando com os do “seu tempo”.
                     É claro que o melhor tempo para cada pessoa é o tempo em que ela é mais feliz e isso acontece com mais facilidade na infância, na juventude, numa época recheada de planos e sonhos. No entanto, mesmo dentro dessa turma, há os inadaptados, que assimilaram completamente as recordações e os comentários dos pais e não conseguem usufruir da própria atualidade.
                    Inadaptação é mais do que uma questão de gosto, corriqueira em todas as épocas. Mesmo os irmãos gêmeos podem ter gosto musical, artístico, social diferente e se comportar de forma diversa. Isso não é inadaptação.
                     Acho que as pessoas deveriam se esforçar mais para entender os novos tempos, novos costumes, para não virarem um poço de crítica constante e uma rabugice só.
                    É claro que valores, educação, cultura são atemporais e devem ser mantidos para viabilizar a vida em sociedade.
                   Agora, quando meu pai dizia que cantor era o Vicente Celestino e ameaçava jogar todos os meus discos da Jovem Guarda no lixo, ele demonstrava uma feroz inadaptação à juventude dos filhos. Ainda bem que na música clássica, na Ópera nos entendíamos. Já a minha mãe se apaixonou por Roberto Carlos e Julio Iglesias junto comigo e com minhas amigas, quem sabe pelo fato de ser obrigada (ela adorava!) a nos acompanhar em todas as festas e bailes.
                   Inadaptadas também são as mães que se vestem iguais às filhas e resolvem posar de “melhor amiga” da filha adolescente, “curtindo” tudo junto e deixando a pobre menina morta de constrangimento.
                    Não quero passar receita de nada, tampouco dizer o que é certo ou errado. Cada um sabe de si. Meu objetivo é refletir sobre o que é ser inadaptado ao seu mundo e a reflexão surgiu a partir da patrulha veemente que os mais velhos fazem sobre o uso indiscriminado e exagerado dos aparelhos eletrônicos, celulares, smartphones, redes sociais, etc., pelos jovens principalmente.
                   É o mundo deles, o tempo deles, os costumes deles. Certamente irá passar, sofrer transformações, se modificar, quiçá girando ao encontro de tempos idos, assim como faz a moda, mas agora é tempo perdido vociferar o constantemente contra eles. Como são jovens, saudáveis, bonitos, esse tempo se cristalizará na sua memória como o melhor de todos, não tem jeito! Sempre foi assim e assim será.
                   Agora, eu também me considero um tanto quanto inadaptada à “envelhescência” e volta e meia me pego praguejando contra os defeitos físicos e as limitações que vão surgindo e se acentuando a cada dia.
                  O jeito é viver com as boas recordações, tolerando os arroubos dos que ainda viveram tão pouco e, se possível, sonhando um pouquinho mais, pois a Europa vai continuar lá e eu ainda quero ver tanta coisa...








2 comentários:

Jeanne Geyer disse...

acho uma crueldade contra as crianças e jovens esta patrulha. eles não escolheram a época pra nascer. assim como erramos ou não, e vivemos nossa época, agora é a vez deles. já vêm ao mundo com uma carga enorme de violência e indiferença social pra enfrentar!

Anônimo disse...

SÃO AS DIFERENÇAS DE CADA ÉPOCA, QUE TENDEM A PASSAR. O PROBLEMA É O USO EXAGERADO QUE ALGUMAS PESSOAS, INCLUSIVE "COROAS", FAZEM DA TECNOLOGIA. Elizabete