domingo, 27 de setembro de 2009

SEU JOÃO

                   Casualmente ouvi seu nome, gritado pelos companheiros de trabalho. Ia escrever sem saber como ele se chamava, já que o nome, neste caso, não tem a menor importância.

              Quando destruíram o terreno dos pássaros, bem ao lado do meu prédio, ele foi a primeira pessoa a aparecer. Já o odiei à primeira vista, por vê-lo comandando as máquinas destruidoras e barulhentas.

               É um negro velho, forte, de peito largo, cara sisuda e cabelos quase brancos. Deve ter bem mais de sessenta anos. Desde o primeiro buraco no terreno já aconteceu sob sua supervisão.

              Com minha netinha dormindo no quarto ao lado do mesmo, habituada a ser embalada apenas pelo canto dos passarinhos, antipatizei com ele logo de cara.

              Não sei quantas vezes ela acordou sobressaltada, chorando, por causa do barulho da famigerada serra elétrica; operada por quem? Por seu João, é claro! Reclamei com ele, pedi que colocasse a serra no outro lado do terreno, onde não havia um prédio cheio de crianças tentando tirar uma soneca. Ao que ele, mais sério do que nunca, apenas respondia: “- É obra, senhora! É obra!” Num indisfarçável orgulho.

              Sete horas da manhã (em ponto!) seu João bate um sino e coloca o capacete, faça chuva ou faça sol. O homem não pára um segundo de trabalhar e dar ordens. Um imenso temporal desabando, até com granizo, e seu João dentro de uma valeta instalando as fundações da obra, encharcado até os ossos e sem se abalar.

              Corta madeira, sobe e desce em escadas íngremes, sempre medindo, sempre consultando a planta, sempre dando ordens, sempre sério. Ignora a cantoria e as piadas dos peões; quando muito dá um meio sorriso que nem chega a mostrar os dentes, silencioso como uma abelha na colméia.

             Seu João só pára de trabalhar quando chega o empreiteiro, ou os engenheiros e ele dá todas as explicações. E recebe todas as ordens, sem discuti-las, a não ser tecnicamente.

             Deve ser por isso que um homem velho ainda consegue emprego e é valioso numa construção. É que ele é do tempo em que os patrões mandavam e os empregados obedeciam; do tempo em que os horários eram respeitados, do tempo em que não existia mau tempo que impedisse alguém de cumprir sua função e que não inventavam desculpas e atestados médicos frios para faltar ao serviço.

            Continuo não gostando do seu João, porque ele atrapalha o sono da Bruna, mas aprendi a respeitá-lo tanto que até uma crônica lhe dediquei.

             “– É blog, seu João, é blog!”

Um comentário:

Jeanne disse...

Seu Joào merece! Adoro este nome...
tem uma blogagem coletiva para o dia 15.10, vai lá no blog, clica no selinho da barra lateral, e se te interessar podes te inscrever.
É sobre professores, já estou inscrita, vale a pena.
Beijos