terça-feira, 1 de setembro de 2009

QUERO SER VOVÓ!

Graças ao bom Deus, já tenho um casal de netinhos lindos!
Só que ainda não consegui ser "vovó" deles. Sou mais mãe-vó, vó-babá, super nanny, coisas do gênero.
Para o mais velho (de seis anos), além do carinho extremo, exerço o papel de educadora. Vivo corrigindo, ensinando, preparando para a vida, mostrando o lado melhor e mais certo de fazer as coisas.
Para a pequenina (de quinze meses) sou uma mistura de mãe e avó, pois cuido dela dez horas por dia, todos os dias, desde que acabou a licença-maternidade de sua mãe.
Reflexiva como sou, fico conjeturando porque o papel dos avós anda assim meio misturado com o dos pais. A resposta não é difícil de encontrar : pai e mãe trabalhando o dia todo para conseguirem ter um padrão razoável de vida. Claro que existem as escolinhas, as creches onde as crianças passam os dias inteiros, junto a outras crianças em igual situação. Brincar com outras crianças é saudável e necessário, só que não deveria ser a rotina maior do dia. Bom mesmo era ficar na sua casa, com a sua mãe ou com uma boa empregada. Dormir na sua cama, brincar com seu cachorrinho, lanchar o que gosta na hora que tem vontade, enfim, coisas que eram comuns a todas as crianças e que hoje pertencem a um passado difícil de ser reeditado.
Aos avós cabia, no máximo, supervisionar as empregadas para que tratassem bem das crianças e não comessem o lanche delas. Tricotar, brincar um pouco durante as visitas, cozinhar suas preferências, bater palmas nas festinhas do colégio, carregar a carteira cheia de fotos dos netinhos para mostrar aos amigos.
Claro que todas as casas tinham um pátio ensolarado, quintal com árvores frutíferas, jardim cheio de flores e borboletas (raridade hoje em dia).
Nos dias atuais, as crianças precisariam ficar o dia inteiro trancadas num apartamento cheio de grades, assistindo programas nem sempre educativos na televisão, jogando vídeogame ou no computador, com acesso irrestrito a tudo o que quisesse ver. Nesse caso, a escola o dia inteiro ainda se torna uma melhor opção.
Os primeiros mestres - DE TUDO - são os pais. Dos valores mais simples, como a honestidade e a justiça, aos preceitos religiosos, cabe aos pais apresentá-los aos filhos, moldando seu caráter e garantindo uma vida com muito mais sentido.
Infelizmente, não é isso que se vê hoje. Os pais parecem muito mais envolvidos com o capitalismo, com os bens, com o prazer imediato do que com a formação moral dos filhos.
Para não se incomodarem, enchem as crianças de brinquedos descartáveis, de lanches artificiais, refrigerantes, salgadinhos e chocolates, sem se darem ao trabalho de ensiná-los a comer comidas saudáveis e seguirem uma rotina de sono, alimentação e lazer.
Os filhos são os donos da casa e da rotina dos pais, exigindo (aos gritos às vezes) a satisfação de todas as suas vontades.
Realmente, educar dá trabalho!
Por isso, só os casais realmente preparados e dispostos a cumprir esta verdadeira missão de pais é que deveriam ter filhos.
Caso contrário, os avós não poderão exercer seu verdadeiro papel, tentando suprir carências e lacunas de uma função que não é mais sua, ou não deveria ser.

7 comentários:

Cantinho_da_felicidade disse...

Oi Maria Luiza, tudo bem? Vim aqui indicado pela Jeanne, valeu a pena conhecer, textos muito bem escritos e que nos levam a viajar e refletir. Esse dá vovó, concordo plenamente com vc, como esta difícil ser simplesmente a vó. Outros tempos... as crianças querendo ser adultas, os pais sem tempo... correria... Bem diferente do seu e meu tempo... Mas isso faz parte para o nosso crescimento. Que nos seu papel de faz tudo vovó, consiga plantar boas sementinhas nos seus netinhos, para se tornarem bons cidadãos e principalmente pessoas do bem. Se cuida. Tenha uma excelente semana. Fique com Deus. Beijão no coração

Jeanne disse...

Olá, inspirada hein?
Genial o texto.
Com tua permissão, vou copiar e divulgar no blog com o link do teu blog.
Tem tantas reflexões profundas que merece ampla divulgação.
Beijos :)

O que elas estao lendo!? disse...

Oi Maria Luiza, tudo bem?

Estou vindo te convidar a ler o nosso editorial e quem sabe fazer parte...

Abracos (volto depois com o perfil da Saia para te ler.)

NADJA disse...

OIE VIM CONHECER SEU LINDO CANTINHO..A MIDI É BELISSIMA!!!
APARECE TB NO MEU HUMILDE CANTUXINHO OK!!! "Dizem que amizade é como as flores, se você não rega elas morrem... Então... tô passando prá regar as minhas!" E para desejar que o seu hoje e o seu sempre sejam abençoados! Beijocas!!!!!!;)e feliz semaninha te dolu fuiiii

JR disse...

Voce é VOVÓ em dose dupla .
Tambem me identifiquei com voce ,pois tmb tenho 2 netos lindos e sentia as mesmas coisas que vc e quando queria reclamar ,ouvia uma vozinha vinda do fundo da alma a me falar.
AGRADEÇA A DEUS TODOS OS DIA,PELA OPORTUNIDADE DE PODER AGORA EXERCER O LADO MAEZONA, QUE ANTES LHE FUGIU DO CONTROLE.
Daí eu recomeço a lembrar que quando meus filhos eram pequenos,eu tmb não tinha muito jeito e tempo para eles ,pois precisava trabalhar ,estudar e correr ,nem sei para onde e nem porque.
Só o que sei Maria Luiza é que corri muito e não cheguei a lugar nenhum que me realizasse e hoje como avó eu estou me completando ,preenchendo as lacunas que deixei vazias por certo tempo.
Aproveite querida ,esta segunda chance dada pelo nosso paizinho de AMOR para exercer o verdadeiro AMOR.
Os netos, são nossos bambinos que retornam agora para nos presentear.
Abraços

Anônimo disse...

Querida ,amiga é com alegria que oferemos a vc nosso presente de mil visitas e convidamos também para ler a postagem do www.unidas.pelo.amor.zip.net..Foi covardia demais o que nos fizeram .Um abraço carinhoso ,Evanir e Darly.
Creio nunca ter estado aqui antes ,mais ficaremos gratos com sua visita....seguindo seu blog.
www.e.garcia.zip.net

Fernanda disse...

Como sabe, Maria Luíza, eu estou a proporcionar aos meus filhos, aquele tipo de educação que você designou como sendo a ideal. Nem por um momento me arrependo da minha opção, ainda para mais os meus filhotes têm somente uma avó-contemplativa; pelos pequenos, como eu gostaria de ter uma avó mais empenhada, para eles; assim como você!

Beijinhos